2º Seminário sobre Arquitetura Vernácula: Patrimônio e Sustentabilidade acontecerá de 4 a 6 de novembro de 2019 em Belo Horizonte. É uma organização conjunta entre a Pós-Graduação em Ambiente Construído e Sustentável da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFBA e do Comitê Científico em Arquitetura e Tecnologia Vernáculas do ICOMOS/BR e o foco serão as expressões históricas e tradicionais da produção arquitetônica popular, abordadas como objeto de reflexão conceitual, teórico-metodológica e de pesquisa, bem como em suas relações com processos de preservação e dinâmicas da vida contemporânea.

Este segundo seminário, dá sequência ao 1º Seminário sobre Arquitetura Popular: a Salvaguarda dos Saberes Tradicionais, organizado em Salvador, na Faculdade de Arquitetura na Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 2016. O 1o. Seminário teve como objetivo discutir os problemas da identificação e as questões relacionadas à melhoria das condições de transmissão e reprodução desses conhecimentos com base em experiências de pesquisas e inventário realizadas na Bahia, Minas Gerais, Pernambuco e Santa Catarina.

As pesquisas neste campo da arquitetura popular/vernácula têm crescido em todo o mundo, mas no Brasil e na América Latina, a despeito de um interesse crescente sobre o tema, são ainda incipientes e pouco divulgadas. Este seminário é, assim, uma oportunidade de congregar pesquisadores e estudantes de todo o país e do exterior em um tema especialmente relevante quando se discute sustentabilidade, necessidades locais e salvaguarda de tradições.

Sendo este um campo interdisciplinar desde a sua constituição, o 2° Seminário espera receber contribuições de arquitetos, antropólogos, arqueólogos, engenheiros, geógrafos, historiadores, sociólogos, turismólogos, mestres artífices e de todos que se interessem por este universo.

ESCOPO
E EIXOS TEMÁTICOS

Patrimônio & Sustentabilidade

 

O Brasil apresenta um amplo património arquitectónico vernáculo com características variadas. Neste contexto, temos desde o património vernáculo histórico das casas e edificações não monumentais das cidades-património, passando pelas tradições indígenas e quilombolas, pela herança portuguesa, pela herança dos demais processos imigratórios, e indo até as culturas construtivas tradicionais presentes em várias localidades, e, com menores ou maiores modificações, encontradas em todas as regiões do país. Todos eles têm em comum a necessidade de maior estudo, síntese e troca de informações no sentido de se definir as melhores diretivas para que se tracem políticas públicas e diretrizes envolvendo a sociedade civil para a sua conservação.

Entretanto, é desejável que esta troca de informações não se faça somente entre os pesquisadores do país, mas também chamando ao debate pesquisadores de todo o mundo, sobretudo com relação a utilização de métodos de abordagem e discussão de experiências similares. Neste sentido o seminário embora focado na arquitetura vernácula brasileira, busca discutir abordagens metodológicas e outras questões que envolvam os fundamentos e pesquisa da arquitetura vernácula em todo o mundo. Dentro deste contexto, embora o idioma oficial do evento seja o português são aceitas também comunicações em espanhol.

Os objetivos do seminário são:

  • Discutir e mostrar resultados de pesquisas e registros sobre a arquitetura popular e vernácula no Brasil e em outros países, e debater sobre os avanços conceituais e metodológicos do campo.

  • Discutir o impacto que o turismo tem exercido sobre a arquitetura e tecnologia vernáculas e possíveis diretrizes sobre o tema.

  • Discutir os potenciais da arquitetura vernácula para o desenvolvimento sustentável no Brasil.

A lista de eixos temáticos sugeridos abaixo é apenas indicativa das possíveis contribuições, e todas as comunicações que abordam o tema da arquitetura vernácula/popular serão muito bem vindas. Informamos que além da publicação de todos os trabalhos aceitos nos anais do congresso, os autores dos 10 melhores artigos serão convidados a publica-los como parte do livro Arquitetura vernácula & sustentabilidade:

  1.  
    Fundamentos, teoria e metodologia de pesquisa em arquitetura popular/vernácula: 
    Neste eixo irão se discutir todas as questões de fundo metodológico e conceituais sobre o campo, assim como seus desdobramentos teóricos e práticos.

  2. Arquitetura vernácula, sustentabilidade e natureza
    Neste eixo se discutirão todas as possibilidades e questões relativas as inter-relações entre sustentabilidade e arquitetura vernácula. Como a arquitetura vernácula tem por tradição o uso de materiais e mão-de-obra locais em geral a arquitetura produzida se enquadra dentro dos mais rigorosos parâmetros de sustentabilidade. Isto dá a arquitetura vernácula um novo potencial e possibilidade de desenvolvimento como repositório de técnicas e materiais sustentáveis. Por outro lado, as necessidades das populações locais tem de ser satisfeitas e isto pode levar a mudanças e tipos de soluções que tem de ser analisadas sob todos aspectos, inclusive das tradições locais e sustentabilidade.

    Uma outra discussão que se pretende abordar neste eixo são as discussões entre preservação do patrimônio cultural x preservação da natureza, quando a sobrevivência do fazer vernáculo entra em conflito com as leis e normas vigentes de preservação ambiental.

  3. Arquitetura vernácula e turismo.
    As pesquisas desenvolvidas no campo da arquitetura vernácula tem revelado a importância do turismo na conservação ou transformação da arquitetura vernácula. Torna-se assim, fundamental compreender este importante fenômeno contemporâneo e quais as suas possibilidades de interface com a arquitetura vernácula sobretudo no sentido de preservar as tradições e incentivar o empoderamento das populações locais.

  4. Arquitetura vernácula e a construção de paisagens.
    A arquitetura vernácula está diretamente ligada aos estudos e conceitos relacionados à paisagem cultural. Este importante conceito tem contribuído para o estudo da arquitetura vernácula e vice-versa. Neste eixo se discutirá portanto todas as interfaces entre os dois campos de conhecimento.

  5. Arquitetura vernácula e necessidades locais.
    Um dos aspectos chave na arquitetura vernácula é a sua compreensão como um fenômeno dinâmico e não congelado no tempo. Pretende-se aqui trazer ao debate todas as questões relativas as modificações nas tradições tanto enquanto fazer, quanto produtos materiais.

  6. Arquitetura vernácula, materiais, tecnologia, transformações e permanências.
    O “fazer” é um aspecto chave no estudo da arquitetura vernácula sobretudo em países como o Brasil, aonde esta tradição ainda está presente. Neste eixo pretende se agrupar todos trabalhos que tratem não só de transformações no processo construtivo, como do registro e discussões sobre o próprio processo construtivo e seus materiais, e possíveis modificações para atender às necessidades das comunidades locais.

  7. Arquitetura vernácula e a salvaguarda de tradições.
    A arquitetura vernácula é em última análise uma tradição manifestada materialmente, mas também imaterialmente no “saber fazer”. Neste sentido apresenta-se não só como “loccus’  de várias manifestações culturais mas também é ela mesmo uma manifestação importante na preservação das tradições. Aqui se pretende discutir todas estas questões e outras associadas a um conceito chave para o campo, o da tradição.

  8. Arquitetura vernácula e ensino
    Neste eixo pretende-se debater todas as experiências e propostas relativas ao ensino da arquitetura vernácula tanto como atividades de graduação e pós-graduação como de extensão.  Extensão é tomada aqui em um sentindo amplo envolvendo oficinas, workshops, cursos de curta duração e outras atividades de formação ou troca de conhecimentos não formais.

  9. Arquitetura vernácula nas cidades históricas
    As cidades históricas brasileiras possuem uma amplo patrimônio de edificações não monumentais que são fundamentais ao seu carácter e constituição. Exigem cuidados e estratégias específicas para sua conservação. Pretende-se abordar aqui todas as questões relacionadas a elas.  

CALENDÁRIO

até 22 SET
Envio dos resumos
expandidos

30 SET
Aceite dos resumos
expandidos

16 OUT
Envio de trabalhos completos

 

16 OUT
Prazo final para inscrição e publicação dos anais no evento

 

realização

04 — 06 NOV 

INSCRIÇÃO

Para fazer a inscrição basta acessar a plataforma Even3, ou clicar no item abaixo, e seguir os passos.

Estudantes deverão obrigatoriamente enviar comprovantes de matrícula, pela plataforma Even3, conforme instruções nela presentes.

SUBMISSÃO

Para facilitar e agilizar o processo de submissão de trabalhos utilizamos
a plataforma Even3.

 

1.
Faça sua inscrição no sistema Even3 

2.
Instruções para envio de trabalhos científicos:

 Envie seu resumo exclusivamente através da Plataforma Even3. As regras de submissão de resumo estão disponíveis na plataforma.
 Os resultados das avaliações serão divulgados até o dia 16 de setembro. Caso haja algum imprevisto no cronograma do evento, este prazo estará sujeito a alteração. Notificaremos os participantes com antecedência.
 Após a aprovação de seu resumo, confirme sua participação, pagando sua inscrição e encaminhe o artigo completo para publicação nos anais do evento utilizando o template disponibilizado através da plataforma;
 Lembramos que os 10 melhores trabalhos, escolhidos pela Comissão Científica, farão parte do livro: Arquitetura vernácula & sustentabilidade.

3.
Se você vai apenas participar do evento, sem apresentação de trabalho, basta confirmar sua participação pagando a inscrição. ​​

PROGRAMAÇÃO

Confira a programação do evento

VIAGEM
DE CAMPO

Viagem experiência
Arquitetura Vernácula
– Bichinho  (Vitoriano Veloso) / MG
 

DATA
07 E 08/11

SAÍDA
07/11 (quinta-feira) – 7:30H – Escola de Arquitetura UFMG

RETORNO
08/11 (sexta-feira) – 18H (Previsão de chegada)

VALOR
R$250,00 por pessoa (incluindo transporte, hospedagem e experiências com produtores locais)

SOBRE BICHINHO
O Povoado de Vitoriano Veloso, mais conhecido como Bichinho, surgiu no início do século XVIII e está localizado entre as cidades históricas de Prados e Tiradentes. As construções de adobe são uma característica do povoado, sendo um dos melhores exemplos de arquitetura vernácula do estado e mantendo a arquitetura colonial da região. Atualmente o distrito possui três produtores de adobe, que além de produzirem para as construções locais, vendem adobes para outras regiões. Além do adobe, Bichinho possui um produtor de telha e piso de cerâmica artesanal e produtores de forro de taquara.

SOBRE A EXPERIÊNCIA DA VIAGEM 
Durante esses dois dias no charmoso povoado do Bichinho, além de poder disfrutar da deliciosa comida e conhecer o famoso artesanato local, você poderá conhecer e ter a experiência de produzir adobe com o “Seu” Antenor e produzir telha e piso de cerâmica artesanal com o “Seu” Zé. 

COMISSÃO CIENTÍFICA

Coordenação:
Prof. Dr. Marco Antônio Penido de Rezende

Membros:
Prof. Dr. André Guilherme Dornelles Dangelo, UFMG, Brasil
Prof. Dr. Bernardo Machado Gontijo, UFMG, Brasil
Profa. Dra. Camila de Brito Antonucci Braga, UFJF, Brasil
Profa. Dra. Celina Borges Lemos, UFMG, Brasil
Profa. Dra. Eleonora Sad de Assis, UFMG, Brasil
Prof. Dr. Eugênio de Ávila Lins, UFBA (aposentado), Brasil
Prof. Dr. Fernando Vela Cossio, UPM, Espanha
Prof. Dr. Frederico de Paula Tofani, UFMG, Brasil
Prof. Dr. Gunter Weimer, UFRGS (aposentado), Brasil
Prof. Dr. José Afonso Botura Portocarrero, UFMT, Brasil
Prof. Dr. José Simões de Belmont Pessôa, UFF, Brasil
Prof. Dr. Leandro Benedini Brusadin, UFOP, Brasil
Prof. Dr. Leonardo Barci Castriota, UFMG, Brasil
Profa. Dra. Lia Sipaúba Proença Brusadin, USU, Brasil
Profa. Dra. Louise Prado Alfonso, UFPel, Brasil
Prof. Dr. Luis Fernando Guerrero Baca, UAX, México
Profa. Dra. Márcia Genésia de Sant Anna, UFBA, Brasil
Profa. Dra. Margareth de Castro Afeche Pimenta, UFSC, Brasil
Dra. Maria Isabel Correa Kanan, ICOMOS-ISCEAH, Brasil
Profa. Dra. Maria Virgínia Simão Peixoto Uni-BH, Brasil
Profa. Dra. Mariana Petry Cabral, UFMG, Brasil
Profa. Dra. Mariely Santana, UFBA, Brasil
Profa. Dra. Paulina Faria, UNL, Portugal
Profa. Dra. Rita Lages Rodrigues, UFMG, Brasil
Profa. Dra. Roberta Vieira Gonçalves, UFMG, Brasil

ORGANIZAÇÃO

Programa de Pós-Graduação em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável por meio do Curso de Especialização “ Sustentabilidade em Cidades, Edificações e Produtos”

Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Bahia

Comitê Científico de Arquitetura e Tecnologias Vernáculas do ICOMOS/Brasil

COORDENAÇÃO GERAL

Prof. Dr. Marco Antônio Penido de Rezende (UFMG)
Profa. Dra. Márcia Genésia de Santana (UFBA)

CONTATO
seminarioarquiteturavernacula@gmail.com

Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)